Páginas

domingo, 16 de fevereiro de 2014

Porque não?

                                 Imagem de autor desconhecido, retirada da net.

Amo... amo só aqueles olhos sorridentes, despertos, vivos, reluzentes? E não o olhar triste, de consolo carente, envolto em lágrimas, tão só, cadente???
Amo... amo só aquela pele macia, de doce arrepio, cor de mel, cheia de brio? E não quando talhada pela vida, árida, penada, queimada pelo frio???
Amo... amo só aquele cabelo sedoso, brilhante, cheio de cor, presença? E não quando esbranquiçados, espigados ou mesmo caídos por força da doença???
Amo... amo só aqueles lábios sorridentes, de palavra dócil, fonte de desejo? E não aqueles gretados, de dor calados, sequiosos por um beijo???
Amo... amo só a ela na flor da juventude, na graça da beleza, paraíso eterno? E não quando castigada pelo outono dos dias, nos finais dos tempos, entre o céu ou o inferno???


Então, como não amar o Inverno?

Yellow McGregor 15FEV2014

sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Só Hoje





"O mundo não é perfeito
e nem todas as pessoas são felizes.
É quase impossível esquecer
menor abandonado, a nossa dívida, o racismo, as guerras...
mas, graças a Deus,
existe sempre a música".
Renato Russo

Nem que seja... só hoje:


terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Desafiando os deuses


Algures no sopé do Monte Olimpo:
- No mar, mesmo no meio dos temporais, sentimo-nos especiais... Estamos ali a desafiar os deuses.
- E sentes-te mais vivo do que nunca?
- Nem por isso... mais do que isso! Como disse Platão, existe 3 tipos de homens:
"Os vivos, os mortos e os que andam no mar!”

sábado, 1 de fevereiro de 2014

Oh daddy, I miss you!


Porque a guerra não se quer mas existe;
Porque muitas vezes é necessário impor a paz;
Porque, por vezes, os soldados se veem privados de momentos que não há dinheiro algum que pague...
Porque são momentos que se perdem, momentos de que não se tem memória...
      ....como o crescimento dos filhos: o primeiro passo, a primeira palavra, o primeiro dia de escola...
Porque, por vezes, existem aqueles que nunca regressaram para ouvir as doces palavras: "Oh daddy, I miss you!".
          ... a minha singela homenagem!
                                                Porque (eu sei que) dói.