Páginas

sábado, 2 de setembro de 2017

Roda de Janeiro


(foto minha)


Chia a roda,
Chora a roda,
Pelos que partem,
Pelos que vão.
Uns regressam,
Lá n’outro verão;
Outros que não,
Tão só na saudade,
Na memória da reza,
N’ hora d’oração.

Chia a roda,
Chora a roda,
(Sor) ri a roda,
Porque o mundo roda,
Em roda d’ coração.

Yellow McGregor Ago2017

sábado, 8 de julho de 2017

Le vent du nord


Muitos cantaram, ambas as versões, francesa e inglesa.
Ficará sempre a melodia, o sentimento, as folhas soltas, o vento do norte.



sábado, 18 de junho de 2016

Abraços...


Porque as mãos também se abraçam,
Quando os dedos se querem beijar.
Porque quando as mãos se abraçam,
Muitas linhas se vão cruzar:
Um novelo feito em novela,
Um destino que teima enrodilhar.
Duas vidas que se encontram
E que na palma se hão-de amar.

(A imagem das mãos é de autor desconhecido, retirada da net.)

Yellow Mcgregor, JUN2016

sexta-feira, 6 de maio de 2016

sexta-feira, 22 de janeiro de 2016

Não penses, vive!


pensar é prosa, razão.
não o faças;
nem deixes ninguém fazer!


Sente, Vê, Desfruta,
Isso Sim:
É Poesia;
Liberdade;
A (única) Forma
De (realmente) Viver.

Yellow McGregor Jan2016

sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Ninho


                                       Imagem de autor desconhecido, retirada da net

Lençol branco mas não imaculado. Amarrotado. Com vincos de sonhos e de prazer. Depois, sim, o cansaço, o descanso, o regaço. O virar as costas a um abraço e perder-se numa conchinha até adormecer.

Yellow McGregor 08/10/2015 

sexta-feira, 6 de março de 2015

Coração de Pedra


Inspirado por aqui

O meu coração é de pedra, onde não se escreve.
Nele se vai esculpindo vivências e emoções, gravadas a ferro e escopro ou por meras tintas cuspidas de uma lata qualquer, feitas arte urbana ou simples acto de selvajaria.
Nada o deixa indiferente. Tudo o marca. Como aquela mancha de pastilha elástica, mastigada e remoída, primeiro colada e depois removida.
      … Mas a água bate. Por vezes fura…
Como são belas as estátuas mesmo que desmembradas, consumidas e corroídas pelo tempo!...

O meu coração é de pedra… mas mole como plasticina em mão de criança.

Yellow McGregor, MAR2015