Páginas

quarta-feira, 8 de janeiro de 2014

I Don't Want To Talk About It



Puxei a manga e segurei-a com a mão, cravando nela a ponta dos dedos. Depois de bafejar, comecei então a puxar o lustro, esfregando com vigor, em movimentos circulatórios.

Não resultou.

Tentei, depois, polir, afagar, aplainar mas nada resultou.

O coração continua riscado, cheio de cicatrizes. 


8 comentários:

  1. Mesmo com cicatrizes, a música que toca de um coração é melodiosa, basta a quem a escuta, ignorar os "riscos"...
    Beijocas nossas ;)

    ResponderEliminar
  2. O coração tem capacidades de regeneração sobrenaturais, falo por experiência!!!

    ResponderEliminar
  3. Tirar cicatrizes é uma mera operação de cosméstica e, por vezes, não importa mesmo "talk about it" ;-)

    O que importa é que o coração continue a bater e a amar :-)

    Obrigado Karochinha, Obrigado S.

    Com um ramo de :-)

    ResponderEliminar
  4. A beleza está nos olhos de quem vê. ;)

    P.S.- Adoro Rod Stewart

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. E quando o olhar é sincero, a beleza existe com todas as suas imperfeições.

      P.S. Eu também mas acho esta versão especial

      Eliminar
  5. Compreendo, mas confesso que prefiro as cicatrizes às tatuagens, pois as histórias que contam são verdadeiras e só quem correu é que caiu, só quem lutou é que sobreviveu verdadeiramente e sentiu intensamente o que tem agora para contar (a si mesmo). Força.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. No coração, sem ser no coração, as cicatrizes trazem sempre recordações do passado. E, por vezes, até podem ser boas como aquelas que decorrem do facto de um dia termos sido crianças :-). Obrigado, Eli. :-)

      Eliminar
  6. Quem não as tem....nunca amou!
    Beijinhos ....e força para arranjar mais marcas....boas de preferência ;)

    ResponderEliminar