Páginas

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Promessa

                                Pendennis Castle, Falmouth, Cornwall

A aproximação foi feita à bolina cerrada e o vento ameaçava romper cada vez mais as velas sujas e gastas do veleiro enquanto lá no alto, planando num céu coberto e cinzento, um bando de gaivotas recebeu aquele navegador solitário com um coro ensurdecedor confirmando, assim, o temporal que se adivinhava.
Passada a última espia para a terra, John saltou de imediato para o cais, afundou o seu velho boné de marinheiro na cabeça e de passos largos subiu pela Arwenack Street. Pelo caminho, com destino certo, parou no pub do velho Sam  que, logo quando o viu, exclamou:
- Amigo John, bons e agrestes ventos te trouxeram de volta! Quanto tempo se passou? Quatro, cinco anos?...
- Quatro anos, sete meses e dezoito dias, para ser mais preciso - respondeu, embora estivesse sem vontade alguma para conversar. Enquanto bebia sofregamente a Guinness, confidenciou que iria até ao castelo Pendennis.
- Ninguém deve estar por lá, homem de Deus. Já viste o mau tempo que se está a pôr?
Mas John sabia que ele estava enganado. Alguém estaria lá à sua espera. Saiu do pub, cruzou as ruas de Falmouth, subiu pela Castle Drive e ao chegar lá ao topo, o longo e enorme tapete de relva verde parecia estender-se para o receber. Ao fundo, perto do castelo, vislumbrou as costas de uma delicada figura feminina, sentada numa manta alva, com uns longos cabelos ruivos a esvoaçarem ao vento. Quando se aproximou, ela virou-se e acolheu-o com um largo sorriso desenhado numa face bonita e levemente sardenta:
- Eu sabia que voltarias!
-Claro que sim, Pat. A viagem foi longa mas passei por todos os locais que ilustraram as histórias que te contei quando eras mais pequena: As ilhas de Galápagos, Madagáscar, os mares das Caraíbas…
- Então essa argola de ouro que estás a usar na orelha esquerda…
- Sim, Pat, como na história do Edward, o pirata, também eu passei pelo cabo Horn à vela. Atlântico para o Pacífico, obviamente. Vês esta cicatriz aqui? Ganhei-a numa disputa, há dois anos.
E embora o seu rosto revelasse um forte cansaço, não deixou de contar, animada e pormenorizadamente, todas as suas façanhas destes últimos anos. A tarde, entretanto, ia longa e as primeiras gotas começavam a cair.
- Papá, tu és um homem de palavra. Vem!
Levantaram-se ambos e caminharam serenamente, lado a lado, em silêncio. Chegados à beira da característica encosta alta e escarpada da Cornualha, John abriu os braços e, sem hesitação, mergulhou naqueles aguçados rochedos que violentamente o acolheram.

Finalmente poderia repousar em paz, junto da sua doce e saudosa princesa.

Yellow McGregor, NOV2009


2 comentários:

  1. Quando li este título relembrei uma música dos Cock Robin "The promess you made" e li o texto com toda a atenção. É lindo, é perturbador, é desolador. E doloroso para mim de comentar porque já estive à beira do rochedo.
    Só um apontamento: este cenário é palco de muitas histórias celtas que li, que são das minhas predilectas.
    E a tua forma de as descreveres é em tudo semelhante às da Julliet Marillier ou da Marion Zimmer Bradley!

    Beijocas nossas ;)

    ResponderEliminar
  2. Passei uma tarde maravilhosa, sózinho, nestas paisagens e regressei a um passado que nunca vivi. Sem dúvida que é mágico.

    ResponderEliminar